Puede usar las teclas derecha/izquierda para votar el artículo.Votación:1 estrella2 estrellas3 estrellas4 estrellas5 estrellas (1 votos, promedio: 5,00 sobre 5)
LoadingLoading...

Deportes Nivel B2

6-0. Vitória histórica na fase final

Sevilha / A Espanha conquistou nesta terça-feira uma vitória histórica e escandalosa (6-0) contra um dos melhores times do mundo, a Alemanha, e também o fez em um jogo importante para ambos, ao ser outubro próximo na fase final do Liga das Nações, que o Vermelho conquistou com enorme brilho, deixando a figura de Joachim Löw muito emocionada como treinador alemão.

Luis Enrique, por sua vez, veio a este jogo com o debate sobre a falta de um gol na seleção nacional, e resolveu pela raiz graças à eficácia dos seus atacantes, especialmente Ferran Torres, que marcou um terciário.

Luis Enrique anunciou na véspera: A Espanha nunca renuncia a ser protagonista nas partidas e também nisso não havia o que especular, pois a equipe precisava da vitória contra um adversário que valesse o empate.

Por este motivo, dissipada a dúvida sobre o golo, em que o guarda-redes do Athletic Club Unai Simón voltou a arrancar, o treinador asturiano teve uma equipa muito ofensiva finalizada com Álvaro Morata como avançado e com uma defesa também muito avançada.

Sergio Ramos, aos seis minutos, foi o primeiro a tentar a bola para Manuel Neuer, numa cobrança de falta directa de baixo que o guarda-redes do Bayern imaginou travar.

Diante desse ímpeto do Vermelho, a equipe comandada por Joachim Löw quis recuperar logo a bola e se fortalecer no meio de campo com o jogador do Real Madrid Toni Kroos, que voltou ao alemão ‘onze’ depois de cumprir um pênalti contra a Ucrânia, mas o a abordagem local desorientou o adversário.

Apesar de aos nove minutos ter ocorrido um grande revés para a Espanha na forma de lesão, quando a Bética Sérgio Canales teve de ser substituída ao reclamar de um furo na coxa esquerda, o seu suplente, também ex-titular da equipa Verdiblanco e agora no Nápoles, Fabián Ruiz, foi um dos protagonistas do 1-0.

O sevilhano cobrou canto ao poste mais distante e Morata agradeceu a Luis Enrique pelo início com um cabeceamento magnífico.

Pouco depois, o atacante do Real Madrid marcou o segundo gol após grande passe de Ferran Torres, mas o árbitro sueco Andreas Ekberg apontou um impedimento duvidoso, com o qual o jogador da Juventus não conseguiu registrar o que teria sido seu décimo nono com a seleção.

Ferran Torres

Quem teve sucesso foi Ferran Torres, o prêmio do jogador do Manchester City para o grande jogo, e pouco antes de Neuer evitá-lo, mas depois de meia hora ele aproveitou uma bola rejeitada pela barra no chute de Dani Olmo para agora não ter misericórdia contra o Objetivo teutônico.

Ferrán Torres fez o segundo gol com o absoluto e Rodri Hernández juntou-se à festa pouco depois para colocar o terceiro antes do intervalo, com o qual a Espanha tirou as dúvidas da falta de gol em apenas 38 minutos.

Antes deste festival de uma equipa que nunca quis deixar de ser protagonista, foi encontrada uma Alemanha perdida, que cada vez que sofria um golo diminuía um pouco mais e ficava fraca na defesa e desaparecia no ataque.

A alegria hispânica, porém, não pôde ser total no primeiro tempo, pois, assim como Canales, o capitão Sergio Ramos, em uma jogada bem parecida com a de seu companheiro ao bater na bola, notou desconforto na coxa direita que eles prontamente aconselharam sua substituição alguns minutos antes de todos irem para o vestiário.

Na segunda parte, apesar das adversidades devido às lesões, a Espanha manteve a sua intensidade e agora também com mais espaços já que a equipa de Löw saiu um pouco mais ousada mas não muito convicta do que fazer.

Assim vieram o quarto local e o segundo para Ferran Torres e depois o terceiro, um tripleto do jogador do City que colocou no placar um 5 a 0 para uma Alemanha não acostumada com esses gols e que demorou muito. partido e possivelmente com consequências para seu seletor, e mais quando antes do final Mikel Oyarzábal colocou a meia dúzia.

Muito pelo contrário para Luis Enrique, que viu como se resolveu o problema do golo e também num jogo de prestígio e com uma fase final no horizonte.

– Ficha técnica:

6 – Espanha: Unai Simón; Sergi Roberto, Sergio Ramos (Eric García, m.43), Pau Torres, Gayá; Canales (Fabián, m.12), Rodri, Koke; Dani Olmo (Gerard Moreno, m.73), Morata (Oyarzábal, m.73) e Ferran Torres (Asensio, m.73).

0 – Alemanha: Neuer; Ginter, Süle (Tah, m.46), Koch, Max; Goretzka (Neuhaus, m.61), Kroos, Gündogan; Sané (Waldschmidt, m.61), Werner (Henrichs, m.77) e Gnabry.

Gols: 1-0, M.17: Morata. 2-0, M.33: Ferran Torres. 3-0, M.38: Rodri. 4-0. M.55: Ferrán Torres. 5-0, 71: Ferran Torres. 6-0, M.88: Oyarzábal.

Árbitro: Andreas Ekberg (Suécia). Ele advertiu os alemães Koch (m.37), Tah (m.67) e Gnabry (m.84).

Incidentes: Jogo do sexto e último dia do grupo 4 da Liga das Nações disputado no estádio La Cartuja, em Sevilha, sem espectadores devido a protocolos de saúde devido à pandemia do coronavírus.

(17 de novembro de 2020, EFE / PracticaEspañol)

(Tradução automática)

As notícias relacionadas em vídeo (julho de 2020):


Noticias al azar

Multimedia news of Agencia EFE to improve your Spanish. News with text, video, audio and comprehension and vocabulary exercises