Puede usar las teclas derecha/izquierda para votar el artículo.Votación:1 estrella2 estrellas3 estrellas4 estrellas5 estrellas (5 votos, promedio: 5,00 sobre 5)
LoadingLoading...

Saude

Dois exercícios para obter calma, tranquilidade e serenidade

Se você acha que nunca superará seus problemas de ansiedade, dois exercícios práticos simples podem ajudá-lo a encontrar calma, serenidade e tranquilidade, de acordo com Pedro Moreno, MD, em Psicologia.

Você está se preocupando demais há meses ou anos? Você também tem uma intensa preocupação com sua saúde ou tem medo de enlouquecer ou perder o controle e fazer coisas que não quer fazer?

“São sinais de que ele sofre de ansiedade, uma emoção que surge da antecipação de uma possível ameaça e na qual nossa capacidade de pensar e imaginar o futuro gera uma série de armadilhas mentais que nos deixam ansiosos”, de acordo com Pedro Moreno, PhD em Psicologia. (Murcia, Espanha, 1968).

Para Moreno (www.clinicamoreno.com), autor de oito livros sobre ansiedade e seus remédios, o último intitulado An Ansiedade Crônica. Um guia para os pacientes (e impacientes) ‘, encontramos novamente a mente calma, a serenidade e a tranquilidade “, ao desativar essas armadilhas mentais”.

“Para nos libertarmos da ansiedade, precisamos aprender a observar nossa mente sem nos deixar levar por nossos pensamentos e emoções, aumentar a consciência do que pensamos quando nos sentimos mal e reduzir a necessidade de controlar o que acontece em nossa mente quando estamos mal” ele aponta.

Para iniciar o caminho da serenidade e da calma mental, o Dr. Moreno propõe dois exercícios práticos, que ele usa com seus pacientes, tanto em sessões individuais quanto em terapias de grupo, e que resultam de muitos anos de experiência.

O diário emocional

Esse exercício nos convida a observar nossa mente para poder reconhecer, viver e dirigir como a ansiedade é produzida.

Para aprender a reconhecer as causas e condições associadas à emoção ansiosa, esse psicólogo recomenda responder a estas perguntas quando você se sentir mal:

Situação.

Onde eu estava, com quem, o que estava fazendo e o que estava acontecendo pouco antes de me sentir mal?

Pensamentos. Que pensamentos ou imagens mentais vieram à minha mente depois do que aconteceu? O que estava me preocupando na época? Você achou que algo poderia dar errado? Eu estava me julgando ou a outros? Você se lembrou de um erro do passado? O que me preocupa agora? O que penso de tudo isso acontecendo em minha mente? Eu acho que pode ser perigoso?

Emoções. Eu me senti ansioso, assustado, nervoso, triste, zangado, culpado? Naquela época, alguma das sensações no meu corpo era assustadora (a pressão no peito ou na cabeça, as batidas do coração)?

“Anote quais emoções você teve e que sensações corporais as acompanharam”, recomenda Moreno.

“E se esses sentimentos a assustaram, o que você achou quando se deu conta deles? Você estava preocupado? Você imaginou algo que fez você se sentir ainda pior? “

Moreno recomenda fazer as anotações o mais rápido possível e tentar escrever, mesmo que alguém esteja errado, já que “o fato de introduzir essa atividade voluntária faz com que a mente tenha que iniciar outras áreas do cérebro e, como efeito secundário, as emoções. dolorosos, podem ser atenuados ”.

“Também pode acontecer que tomar consciência de pensamentos ameaçadores aumenta nosso desconforto”, mas, de qualquer forma, “se queremos nos sentir melhor, precisamos primeiro saber bem o que realmente nos faz sofrer”, diz ele.

Relaxamento muscular consciente

Além de tomar consciência de nossos pensamentos e emoções, também é importante que tomemos consciência de nossas sensações corporais, de acordo com esse psicólogo.

Para aliviar os estados de tensão emocional, ele propõe uma técnica simples, que consiste em prestar atenção ao corpo, à diferença entre o estado de tensão e o de relaxamento muscular, e se é possível começar a liberar essa tensão.

Moreno sugere praticar esta técnica em um local calmo, deitado em uma cama ou tapete, com roupas confortáveis ​​e o telefone desconectado:

• Traga atenção ao corpo.

Este exercício consiste em apertar e relaxar diferentes grupos musculares, estar ciente de cada área que estamos apertando, das sensações produzidas pelo aperto e de como elas mudam quando liberamos a tensão.

“Se você perceber que está pensando em outra coisa, pare por um momento e reconecte-se às sensações do grupo muscular em que estamos trabalhando”, ele sugere.

Moreno aconselha a executar o procedimento de apertar e sentir as sensações produzidas por essa tensão (por 5 segundos) e, em seguida, liberar essa tensão e observar as sensações relaxantes que ocorrem ao afrouxar (de 15 a 20 segundos), duas vezes seguidas, em cada uma dos seguintes grupos musculares:

– Punho e braço direito (apertando e soltando).

– Punho e braço esquerdo (da mesma forma).

– Perna direita (como empurrar algo com o dedo do pé).

– Perna esquerda (da mesma forma).

– Costas (arqueando um pouco para sentir a tensão).

– Barriga (como apertar o botão da calça ou saia com ela).

– Ombros para a frente (levantando-os do colchão).

– Ombros para trás (empurrando contra o colchão).

– Pescoço (empurrando a cabeça contra o colchão).

– Rosto (pressionando olhos, mandíbula e língua contra o palato).

– Testa (sobrancelhas levantadas).

Em seguida, devemos chamar a atenção para a área abdominal, observando como o ar entra e sai do corpo inalando e expirando, sem forçar a respiração, por cerca de cinco minutos.

“Então abra sua atenção e sinta seu corpo como um todo. Observe como a força da gravidade o puxa contra a cama, sentindo seu peso e seu calor. Por fim, fique um minuto ou dois, percebendo esse momento de relaxamento, sem focar em nenhum sentimento ou pensamento “, conclui Moreno.

(26 de junho de 2020, EFE / REPORTAJES / PracticaEspañol)

(Tradução automática)

As notícias em vídeo relacionadas (novembro de 2012):


Noticias al azar

Multimedia news of Agencia EFE to improve your Spanish. News with text, video, audio and comprehension and vocabulary exercises