Puede usar las teclas derecha/izquierda para votar el artículo.Votación:1 estrella2 estrellas3 estrellas4 estrellas5 estrellas (2 votos, promedio: 5,00 sobre 5)
LoadingLoading...

Mundo

Em discurso, Trump anuncia sanções ao Irã e quer novo acordo nuclear

Washington / O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira novas sanções econômicas contra o Irã e pediu aos signatários do acordo nuclear de 2015 com o país, como Reino Unido, França e Rússia, para que rompam o atual e negociem outro pacto.

Os EUA imediatamente vão impor sanções adicionais contra o regime iraniano. Essas sanções ficarão em vigor até que o Irã mude seu comportamento”, declarou Trump em pronunciamento na Casa Branca, cercado pelos membros do alto comando militar, um dia depois do ataque iraniano contra duas bases no Iraque onde estão tropas americanas.

O ataque, que segundo Trump não provocou baixas, apenas “danos materiais mínimos”, foi a primeira resposta à morte de Qasem Soleimani, principal líder militar iraniano, na semana passada, perto do aeroporto de Bagdá.

Trump declarou no discurso que, após o lançamento dos mísseis, “o Irã parece estar recuando, o que é algo bom para todas as partes interessadas e muito bom para o mundo”.

O presidente americano pediu aos países signatários para que “rompam com os resquícios” do acordo internacional nuclear (JCPOA na sigla em inglês) firmado com o Irã em 2015 e solicitou à Otan para que se “envolva muito mais” no Oriente Médio.

Por fim, Trump enviou uma mensagem conciliadora.

“Os EUA estão preparados para abraçar a paz con todos aqueles que a buscam”, ressaltou.

O Irã assumiu a responsabilidade pelo ataque contra a base de Ain al Asad e alertou que se tratava apenas do início de sua “vingança” pela morte de Qasem Soleimani, considerado um herói no país.

Depois dos ataques iranianos, Trump teve duas reuniões (uma ontem à noite e outra hoje de manhã) na Casa Branca com sua equipe de segurança nacional, composta, entre outros, pelos secretários de Estado, Mike Pompeo, e de Defesa, Mark Esper, informou no Twitter a porta-voz do Pentágono, Alyssa Farah. (8 de enero de 2020, EFE/Practica Español)

La noticia relacionada en vídeo:


Noticias al azar