Puede usar las teclas derecha/izquierda para votar el artículo.Votación:1 estrella2 estrellas3 estrellas4 estrellas5 estrellas (4 votos, promedio: 4,25 sobre 5)
LoadingLoading...

Saude

SE VOCÊ VAI A BRASIL, NÃO DOE SANGUE EM UM MÊS

Os turistas que retornarem do Brasil não devem doar sangue pelo menos durante quatro semanas para evitar a transmissão eventual do vírus da zika, segundo recomendou nesta terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 


A agência sanitária das Nações Unidas publicou um documento no qual dá diretrizes e recomendações para todas as pessoas que participarem dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro em agosto e setembro próximos.

OMS sugere que as autoridades nacionais e os bancos de sangue estabeleçam “procedimentos apropriados para reduzir o risco de transmissão de infecções causadas por mosquitos através das transfusões”.

Além disso, recomenda o uso de preservativo em todas as relações sexuais dado que ficou demonstrado o contágio através do sêmen de homens infectados.

Para a OMS, há evidências científicas da relação entre o contágio com o vírus e o aumento de casos de má-formação congênita em recém-nascidos, especialmente microcefalia e outros transtornos neurológicos, e problemas auditivos e de visão.

Além disso, demonstrou a causalidade entre o contágio e um aumento dos casos de Síndrome de Guillian-Barre, que causa paralisia muscular e pode afetar os pulmões.

O documento lembra que o mosquito Aedes Aegyti, que transmite zika, também passa dengue e chicungunha, duas doenças que causam regularmente surtos no Brasil.

O que a OMS recomenda é que os viajantes se vacinem contra as doenças incluídas nos calendários regulares de vacinação: difteria; coqueluche; tétano; pólio; sarampo; hepatite B, Haemophilus influenzae tipo b; rubéola; caxumba; gripe; papiloma humano; neumococo; e rotavírus.

A respeito desta última doença, a entidade lembra a necessidade de evitar beber água não engarrafada e comer alimentos não cozidos para não contrair diarreia.

Adicionalmente, a OMS sugere que os viajantes tomem as vacinas relacionadas com o contágio de doenças em determinadas zonas de risco, como hepatite A, hepatite B, febre tifóide, raiva e febre amarela.

Finalmente, o documento adverte perante a insegurança reinante no país sul-americano e recomenda “usar só transporte autorizado, não andar sozinho durante a noite, evitar áreas duvidosas e viajar com um acompanhante”.

O atual surto surgiu no final do ano passado no Brasil e desde então foi detectada uma transmissão local do vírus em mais de 60 países.

Noticias al azar