Puede usar las teclas derecha/izquierda para votar el artículo.Votación:1 estrella2 estrellas3 estrellas4 estrellas5 estrellas (3 votos, promedio: 5,00 sobre 5)
LoadingLoading...

Natureza

TUBARÕES EM EXTINÇÃO, À VENDA COMO PEIXES NO BRASIL

Na região sul do país, mais de 16 espécies de tubarões e raias, algumas seriamente ameaçadas de extinção, têm sido pescadas e comercializadas irregularmente com o nome de cação, segundo alerta a Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), do Rio Grande do Sul.


A designação “cação” também é dada a tubarões pequenos, o que reforça problema da venda irregular pela delimitação errada das espécies que podem desaparecer, como a raia-viola (Squatina occulta), enquadrada como “criticamente ameaçada”.

O caso do tubarão-martelo-entalhado (Sphyrna lewini), um dos mais raros de serem encontrados na zona marítima brasileira, também preocupa: a espécie corresponde a 23% do total das amostras recolhidas nos pontos de venda, classificado em quadro de sobrepesca, “vulnerável” para desaparecer.

A situação foi divulgada à Agência Efe pelo pesquisador da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) Victor Hugo Valiati e seu orientando, Christian Sperb, cujo estudo teve apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

“Como saber se o peixe que está sendo vendido é aquele mesmo? Muitas vezes o consumidor não tem informação e pode colaborar, involuntariamente, com um mercado que explora espécies em extinção”, pontuou.

A coleta se deu a partir de 15 pontos de venda entre o norte de Santa Catarina e o sul do Rio Grande do Sul durante os anos de 2012 e 2013, quando os pesquisadores notaram que havia irregularidades na venda nos mercados.

Através de análises genéticas das amostras foi observado que, para evitar fiscalizações, a cabeça e as barbatanas dos animais foram retiradas pelos pescadores ainda no mar, o que quase inviabiliza a identificação das espécies ameaçadas.

Em terra, a carne é vendida diretamente como filé, o que dificulta o reconhecimento por parte do consumidor.

“Nós acreditamos que, mesmo sendo possível haver enganos em alguns casos, nos quais, por exemplo, vende-se espécies permitidas e mais caras por preços menores, há sim má-fé”, observou Valiati.

O pesquisador aponta que a prática pode causar danos irreversíveis e “desequilíbrio nos oceanos” por meio da pesca excessiva de espécies como tubarão-azul e amarelo, as quais têm pouca variação genética, facilitando o consumo irregular.

Para a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, Malu Nunes, a descoberta choca e permite estimar que casos similares ocorram há muito tempo e em grande escala no Brasil, como a coleta de barbatanas de tubarão no Nordeste, que se torna material para exportações ilegais, sobretudo para países orientais.

Nunes ressaltou que somente 1,5% da área marinha do Brasil é devidamente protegida, enquanto há pesquisas que sugerem que o número deveria ser de 30% para evitar intensa exploração e poluição dos oceanos.

A Agência Efe entrou em contato com o Ministério da Agricultura, que informou não saber do processo descrito na reportagem e que só toma conhecimento da existência de pesca ilegal quando notificado pelo setor pesqueiro.

Segundo Nunes, a Fundação costuma reunir suas pesquisas e levá-las ao conhecimento de autoridades com intenção de colaborar para a solução dos problemas.

Entre 2003 e 2015, o Ministério da Pesca e Aquicultura era o responsável pela elaboração de um Plano Nacional para combater a pesca ilegal, em parceria com os ministérios do Meio Ambiente, Defesa, Agricultura e Justiça, além da Marinha. Com a extinção da pasta em 2015, esta política institucional não foi rediscutida.

Ainda no ano passado, o Ministério da Agricultura criou a Câmara Setorial de Pesca e Aquicultura para “analisar o cenário das duas cadeias produtivas e propor medidas para fortalecê-las, seja no aprimoramento da legislação ou em aspectos econômicos”.

De acordo com Sami Pinheiro de Moura, diretor do Departamento de Planejamento e Ordenamento da Pesca do Ministério, o órgão diretamente responsável pela fiscalização da atividade de pesca no Brasil é o Ministério do Meio Ambiente.

Como fruto do estudo elaborado pelos pesquisadores da Unisinos, foi feita uma cartilha destinada a pescadores para que saibam reconhecer as espécies ameaçadas.


Sao Paulo, 23 de octubre de 2016, EFE/Practica Español


Apuntes de gramática: repaso de los tiempos simples del modo indicativo


Noticia relacionada (3 de febrero de 2010)


Comprensión del texto C.1 (Comprehension C.1)

Congratulations - you have completed .

You scored %%SCORE%% out of %%TOTAL%%.

Your performance has been rated as %%RATING%%


Your answers are highlighted below.
Question 1
¿De qué trata la noticia?
A
Brasil adopta medidas para evitar la venta de carne de tiburón.
B
El comercio ilegal de unos escualos en peligro de extinción.
C
Brasil regulariza la venta de carne de tiburón.
Question 2
¿Por qué crees que se dice que venden carne de tiburón con 'falsa fachada'?
A
Porque informan con total transparencia sobre la procedencia de esa carne.
B
Porque tratan de ocultar que esa carne pertenece a animales que están en peligro de extinción.
C
Porque venden una carne que es muy parecida a la de los tiburones en peligro de extinción.
Question 3
¿Qué ocurre si una especie está en peligro de extinción?
A
Hay una superpoblación.
B
Puede dejar de existir para siempre.
C
La existencia de una especie amenaza la supervivencia de otra.
Question 4
Según Valiati, los consumidores...
A
Saben perfectamente que están comprando carne de tiburones en peligro de extinción.
B
No tienen la suficiente información para saber la procedencia exacta de esa carne.
C
No tienen ninguna dificultad para reconocer cómo es la carne de tiburón.
Question 5
El propio Ministerio de Agricultura brasileño reconoce que tiene constancia de esa venta ilegal.
A
Verdadero.
B
No se sabe.
C
Falso.
Once you are finished, click the button below. Any items you have not completed will be marked incorrect. Get Results
There are 5 questions to complete.


Ortografía C.1 (Orthography C.1)

Practica la diferencia entre aun y aún

Congratulations - you have completed Practica la diferencia entre aun y aún.

You scored %%SCORE%% out of %%TOTAL%%.

Your performance has been rated as %%RATING%%


Your answers are highlighted below.
Question 1
Elige la opción correcta
A
No han publicado aun ese informe.
B
No han publicado aún ese informe.
Question 2
Elige la opción correcta
A
Compró esa carne aún sabiendo que no está permitido comprarla.
B
Compró esa carne aun sabiendo que no está permitido comprarla.
Question 3
Elige la opción correcta
A
No comprará esa carne aún cuando esté muy barato.
B
No comprará esa carne aun cuando esté muy barato.
Question 4
Elige la opción correcta
A
Esa especie aun no está en peligro de extinción.
B
Esa especie aún no está en peligro de extinción.
Once you are finished, click the button below. Any items you have not completed will be marked incorrect. Get Results
There are 4 questions to complete.


Noticias al azar